Aula invertida: saiba como funciona e quais suas vantagens

Aula invertida utiliza hibridez para ressignificar os momentos presenciais, mas exige que alunos acessem a conteúdos prévios

Em uma sala de aula invertida, o professor não é o único que ensina. Nem só os alunos aprendem. O processo de ensino e aprendizagem ocorre no caminho percorrido pelos estudantes para propor resolução de problemas.

Assim como as demais metodologias ativas de ensino, na educação invertida, também chamada de flipped classroom, a ideia do professor inquestionável em seus conhecimentos fica para trás. O docente passa a atuar como um mentor do processo de aprendizagem, onde aluno está no foco central.

“A aula tradicional era profetizada, expositiva. O professor passava horas falando, e ocupava todo o tempo presencial para ensinar um conteúdo teórico, enquanto o aluno aprendia de forma passiva”, conta Flávia Wagner, Assessora Pedagógica dos Cursos de Graduação da Universidade do Sul de Santa Catarina, a Unisul.

“Com a implementação da aula invertida, o objetivo é não ocupar mais o momento da aula presencial com a simples exposição de conteúdos, e sim aproveitá-lo para aplicar atividades onde o aluno é colocado no centro da aprendizagem, desenvolvendo raciocínio lógico e criatividade para solucionar problemas em vez de apenas decorar o conteúdo”, explica a pedagoga.

Na Unisul, Flávia explica, isso se divide em um ensino síncrono e assíncrono: “O assíncrono é quando o estudante estuda no próprio tempo, de forma independente e fora da sala de aula. Ele faz estudos e leituras para conhecer a parte teórica, que será a base de sustentação da atividade presencial, que, no caso, é o ensino síncrono, em que todos estão juntos, fazem debates e o desenvolvem o  tema em conjunto, com a mediação do professor, o que pode ser inclusive feito em chats e videoconferências em tempo real”, conta Flávia Wagner, que é Doutora em Educação pela Universidade de Lisboa.

A origem da aula invertida

O método começou a ser colocado em prática em 2007 pelos professores americanos Jon Bergman e Aaron Sams, que descobriram que a vivência em sala de aula poderia ajudar os alunos a dar continuidade à trilha de aprendizagem, que pode ter início sem necessariamente estarem presentes na sala.

Eles lecionam em uma zona rural do Colorado, nos Estados Unidos, e os alunos começaram a faltar muito. Por isso, começaram a gravar as aulas matutinas para o turno da tarde. A estratégia funcionou tanto que eles passaram a ressignificar o valor do tempo na sala de aula presencial.

Aula invertida e o planejamento reverso

Se na lógica da aula invertida o tempo presencial é utilizado para atividades interativas, onde o aluno é colocado para pensar, solucionar problemas e desenvolver o conhecimento com raciocínio lógico e de maneira ativa, o conteúdo teórico deve ser aprendido antes da aula, certo? Flávia Wagner explica que isso funciona graças ao chamado planejamento reverso.

Isso significa que, em vez de o professor entregar um conteúdo mastigado e já resolvido para o aluno em sala de aula, ele passa a indicar meios para os alunos estudarem por contra própria a parte teórica antes do encontro presencial, enquanto o tempo na classe é utilizado para construir um conhecimento a partir daquela teoria.

Dessa maneira, o professor não foca no conteúdo, mas sim na aprendizagem. E ele deixa de ser o único responsável por ela, já que o estudante precisa de forma autônoma construir conexões e significados, fazendo debates em pares e grupos, questionamentos mais elaborados e criando soluções.

“Fazer ele assimilar esse conhecimento na prática, de forma ativa, faz com que o aprendizado seja muito mais profundo e permanente, além de desenvolver sua autonomia, algo essencial no mercado de trabalho”, pontua a coordenadora pedagógica do Unisul.

Ela explica que aplicar a aula invertida, com planejamento reverso, faz parte do plano de atualização e desenvolvimento de competências do corpo docente do ensino superior da Universidade do Sul de Santa Catarina.

Otimização do tempo

Para os professores, o envio prévio de vídeos, blogs, sites, textos e outras ferramentas de pesquisa ajuda a dinamizar as aulas e enriquecer as discussões dos assuntos dos momentos presenciais. A otimização do tempo durante as aulas também é uma vantagem trazida pelo método, que faz com que o professor consiga ter espaço para outras atividades, como planejar novas aulas e participar de formações, por exemplo. Viu só como todo mundo ganha?

Ao passo que a flipped classroom otimiza o trabalho do professor, ela também o desafia a se reinventar e dominar as metodologias de ensino que atendam esta nova forma de gerar conhecimento, mais personalizado e atento ao ritmo de aprendizagem de cada aluno.

 

Conteúdo original Una.