Mestrado profissional x mestrado acadêmico: entenda a diferença

  • Vida e Carreira
Conheça as etapas desses cursos de pós-graduação para dar um salto na sua carreira acadêmica ou profissional

Terminou a graduação e pretende continuar os estudos? Ou ainda nem terminou, mas já está pensando no assunto? Se entre um curso lato sensu e um curso stricto sensu você já escolheu este último, há ainda mais uma etapa: mestrado acadêmico ou profissional? Qual você prefere?

O mestrado é um curso de pós-graduação que aprofunda o aprendizado da graduação, com duração, em média, de adois anos. É recomendado para estudantes que querem ampliar seus conhecimentos sobre determinado tema e também pretendem exercer carreira como professores ou pesquisadores.

Essa modalidade de pós-graduação é oferecida pelas principais universidades públicas e privadas do Brasil, e o Ministério da Educação (MEC) garante que as exigências e o título do mestrado acadêmico sejam as mesmas do mestrado profissional.

Mas qual a diferença?

A diferença entre os dois cursos é que, enquanto o mestrado acadêmico é mais voltado à pesquisa e à atuação na sala de aula, o mestrado profissional é uma modalidade de pós-graduação voltada para a capacitação de profissionais, mediante o estudo de técnicas e processos que atendam a alguma demanda do mercado de trabalho.

As propostas de pesquisa do mestrado profissional devem apresentar uma estrutura curricular que enfatize a articulação entre conhecimento atualizado, domínio da metodologia e aplicação orientada para o campo de atuação profissional específico. Já o trabalho final do curso, que no mestrado é uma dissertação, deve ser sempre vinculado a problemas reais da área de atuação do estudante.

Quais as etapas para começar um mestrado? Tem bolsa?

Para ingressar em um mestrado é necessário possuir um diploma de nível superior e passar por um processo seletivo, que normalmente ocorre uma vez ao ano. Os critérios de seleção são definidos pelas coordenadorias de pós-graduação das instituições de ensino e avaliam o desempenho dos candidatos nos exames, mas também incluem entrevista pessoal e análise de documentos.

Um processo seletivo geralmente segue as seguintes etapas:

Análise do currículo e de outros documentos: isso inclui histórico escolar e até carta de recomendação. Para se garantir nessa fase, vale investir no seu currículo acadêmico ainda durante a graduação, incluindo apresentação em congressos e publicando artigos.

Elaboração e avaliação do projeto de pesquisa: é o planejamento da proposta de pesquisa, sob orientação de um professor.

Prova escrita de conhecimentos específicos na linha de pesquisa pretendida: verifique a bibliografia recomendada, converse com alunos já participantes do mestrado para conferir o nível de exigência e elabore um cronograma de estudos.

Entrevista com banca examinadora do curso de mestrado: os professores da banca irão perguntar sobre seu currículo e seu projeto de pesquisa, com o objetivo de verificar se você está preparado.

Teste de proficiência de língua estrangeira: a maioria exige o inglês, mas nem sempre o teste de proficiência é excludente. De qualquer forma, reforce o estudo da língua estrangeira escolhida ainda durante a graduação.

Se aprovado, esteja preparado para dar duro. Durante o curso, o aluno precisa conciliar também a sua participação em conferências, congressos e palestras, além de redigir artigos acadêmicos que divulgam resultados da sua pesquisa.

As bolsas de pós-graduação no país são disponibilizadas aos programas de pós-graduação stricto sensu recomendados pela Capes. As bolsas são obtidas diretamente nas instituições de ensino superior, a partir de processos seletivos realizados pelos programas de pós-graduação.

E atenção: apenas cursos reconhecidos pelo MEC estão autorizados a expedir diplomas de mestrado acadêmico e mestrado profissional com validade nacional. Para saber se o curso no qual você está de olho se enquadra nessa classificação, consulte a plataforma Sucupira da Capes: https://sucupira.capes.gov.br/sucupira/